“Vós estais em minhas mãos como barro nas mãos do oleiro” (Jr 18,6)

1 (48) (2)Nos dia 12 a 16 de setembro tivemos a oportunidade de estudar o Seguimento de Jesus Cristo ontem, hoje e sempre na vida religiosa consagrada com a orientação da irmã Nelí Basso, MSCS. De inicio ela fez um resgate da história da vida consagrada na Igreja primitiva, de maneira particular relatou que onde surgem os padres do deserto, nasce a exigência do seguimento radical a Jesus Cristo, cujo projeto de originalidade era viver despojados de tudo.

Assim como a vida consagrada nós também temos um passado, um ponto de partida. Na primeira dinâmica partilhamos nossos sonhos, tomando consciência de que somos como barro nas mãos do oleiro, modelando a argila, plasmamos os nossos sonhos do inicio da nossa caminhada formativa e pessoal na vida religiosa Scalabriniana.

Dando continuidade ao conteúdo, refletimos o Seguimento a Jesus Cristo a partir da dimensão teológica dos conselhos evangélicos que são Pobreza, Castidade e Obediência, tais conselhos confrontam os três valores que o mundo valoriza: o ter, o prazer e o poder. Os votos são meios que nos ajudam a viver a nossa consagração. Todo cristão é chamado a viver os três votos evangélicos, porém o que diferencia a vida consagrada religiosa é a vivência em uma comunidade de esperança, caridade e fé.

Estudando o voto de pobreza e Jesus Cristo que se fez pobre por nós, percebemos que a pobreza implica na lei do trabalho e a sua prática é essencial para a imitação e o anuncio de Cristo. Esta pobreza é resultado da experiência de Deus, por isso chegamos à conclusão de que onde há orgulho e desamor não pode existir a pobreza evangélica, que se dá por meio da ascese.

1 (28)A partir das razões teológicas do voto da castidade, o religioso é chamado a viver a diakonia tendo um coração indiviso, vivendo de maneira mística, e exercendo uma vida apostólica e escatológica. A obediência não é ser submissa fazendo tudo conforme as regras, mas deve ser assumida com liberdade por meio do diálogo honesto. Um elemento que nos ajuda na vivência da obediência é a escuta da Palavra de Deus na oração compartilhada. A obediência do discípulo é caminho para a cruz e para a morte que salva.

A vida religiosa sempre tem a necessidade de voltar às fontes, o Papa Francisco nos interpela a olhar com gratidão o passado, viver com paixão o presente e abraçar com esperança o futuro. E foi olhando para nossas fontes que como comunidade nós podemos atender o apelo do Papa, e fomos capazes de plasmar o sonho da comunidade partindo da primeira dinâmica. Por isso, como comunidade nós agradecemos primeiramente a Deus que nos chamou, à congregação por todas as oportunidades e a cada uma das irmãs que nos acompanham e se dedicam pessoalmente a nossa formação por tudo isso Deo gratias.

Noviças Angra, Diana Marcela, Goreth, Johanna, Liz, Nidia, Vitorinha e Zulema

Leave a Reply